Brasil

Publicada em 12/06/18 às 10:42h - 10 visualizações
Junto há 75 anos, casal celebra Dia dos Namorados com amor e dança em Ribeirão Preto: ‘Almas gêmeas’

Radio Jovem Brasil FM


 (Foto: Radio Jovem Brasil FM)

O respeito, a cumplicidade e o amor pela dança são os segredos revelados pelos eternos namorados Oswaldo Genaro e Nelsinda Escarparo Genaro, ambos de 90 anos, para uma relação duradoura. Lá se vão 75 anos de convivência e quase 68 de um casamento sólido em Ribeirão Preto (SP).

"Os outros falam que nascemos um para o outro e que somos almas gêmeas. A gente se considera almas gêmeas. Nunca nos largamos ou brigamos e nunca fizemos algo errado", diz dona Nelsinda.

O casal mora no bairro Parque Bandeirantes, zona leste da cidade, e compartilha tudo, desde as tarefas em casa, as caminhadas matutinas de mãos dadas e os bailes do Clube da Velha Guarda de Ribeirão Preto, onde dançam há 48 anos.

Os dois se conheceram em 1942, quando ela tinha 14 anos e ele 15. Era dia de baile no antigo bairro Barracão, atual Ipiranga. Na casa deles, fotografias em dezenas de porta-retratos estampam viagens, amigos, família. A maior parte das imagens mostra os dois nas pistas de dança em bailes em várias cidades do país.

"Eu fui numa matinê dançante, ele me tirou para dançar e estamos dançando até hoje. Quando a gente começou a namorar, íamos à Praça XV passear. Marcamos um encontro, eu fui com as minhas amigas, e ele com os dele. Não tinha lugar para nós sentarmos e fomos à Catedral. O meu pai trabalhava num posto de gasolina e passou um senhor que nos conhecia e o avisou. Meu pai foi lá bravo e disse: os dois pra casa! A partir daí, levamos a sério", lembra Nelsinda.

Romance

O namoro durou oito anos e o casamento aconteceu em 1950, na Igreja Santo Antônio, em Ribeirão. "Namoro na época era muito sério. Para pegar na mão da moça, demorava uns dias. E para beijar, então? Era depois de muito tempo que acontecia um beijinho", afirma seu Oswaldo.

Ele trabalhou a vida toda como marceneiro e dona Nelsinda se dedicou à confecção de vestidos de noiva, peças e roupas em crochê. Também produziu bolos de casamento e pinturas em quadros. Os dois não tiveram filhos, mas têm dois afilhados, considerados presentes.

"Deus não me deu filhos para eu sorrir ou para chorar. Não era um problema meu ou dele, é que Deus não quis mesmo. A gente aceitou tudo. Foi um casal morar na minha casa e a mulher, que já tinha dois filhos, ficou grávida do terceiro, o qual batizamos. Hoje, ele é considerado nosso filho. Ele que faz tudo para nós", diz dona Nelsinda.

Ao longo do tempo, os dois sempre compartilharam os problemas, priorizaram a conversa e o bom convívio para não abalar a relação. São quatro bodas comemoradas ao lado de parentes e amigos.

"Eu gosto dele inteiro, da cabeça aos pés. Nós dois estamos sempre juntos, mesmo quando tinha família perto, combinávamos bem. Nunca ninguém interviu no nosso namoro, casamento ou nos interessamos em saber da vida dos outros", afirma dona Nelsinda.

Dois para cá, dois para lá

A dança que uniu o casal até hoje faz parte da rotina dele. Por onde passam, estão sempre em busca de bailes para dançar bolero, chorinho ou samba, os estilos musicais preferidos.

O Clube da Velha Guarda em Ribeirão Preto, na Nova Ribeirânia, é considerado a segunda casa dos idosos. Eles frequentam o local há 48 anos e estão sempre presentes nos bailes aos domingos. Atuantes, eles promovem diversas festas na casa.

"Temos uma mesa especial onde recebemos os amigos. O que não falta é foto da gente dançando. Quando toca um bolero até parece que estremece por dentro de tanta vontade de dançar", diz seu Oswaldo.

Medo da separação

Para dona Nelsina, a alegria de viver na companhia um do outro do outro é imensurável, mas uma ponta de preocupação insiste em afrontá-la atualmente. É o medo de uma separação que, um dia, será inevitável.

"Nós já estamos mais velhos. O nosso medo agora é de separar. Então, ando meio doente, por causa disso. Fico pensando, 'ai meu Deus, estou com 90 anos, o que vou esperar agora'?", diz.

Seu Oswaldo compartilha o pensamento da mulher, mas acredita que Deus estará ao lado deles até o fim.

"Nós temos muita fé e Deus nos deu saúde e abençoou. A gente agradece pela idade que a gente tem, pela amizade recíproca, o respeito que a gente tem um com o outro. Queremos ainda ficar muito tempo juntos."





Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.




Peça sua Música

  • hugo
    Cidade: casa branca
    Música: amor selvagem
  • Tony Silva
    Cidade: Brasil
    Música: Sunday Bloody Sunday
  • Sérgio Sales
    Cidade: Brasil
    Música: Faroeste Caboblo - Legiao Urbana
(19) 99378 2820

Bate Papo

Digite seu NOME:



Parceiros

Rádio Jovem Brasil FM - A VOZ DO POVO
Copyright (c) 2018 - Radio Jovem Brasil FM - Todos os direitos reservados